Esses usineiros… A reação já começou!

Os usineiros produtores do etanol e açúcar já começaram a espernear sobre a medida do governo federal que prevê a redução do percentual de etanol anidro misturado à gasolina e também sobre o etanol deixar de ser considerado produto agrícola e passar a ser considerado combustível da matriz energética do país.

Através da UNICA (União da Indústria de Cana de Açúcar), esses vagabundos apelam para a questão ecológica e de saúde pública para provocar uma reação negativa à redução da mistura do produto por eles fabricados no combustível fóssil. Em nota, a entidade cita gastos do governo federal com o SUS para atendimento de pessoas com problemas respiratórios na cidade de São Paulo, supostamente causados pela maior emissão de gases em automóveis que consumirem a gasolina com menor quantidade de anidro.

Como sempre, basta o governo sinalizar que vai mexer no bolso da corja composta de meia dúzia de pessoas pouco preocupadas com a questão econômica do país. A entressafra da cana-de-açucar acontece anualmente, em 2010 houveram problemas com o preço da gasolina, porém o governo interveio reduzindo o valor da CIDE de maneira temporária para conter aumentos. Mas agora a coisa parece ser um pouco mais séria, uma vez que a ANP será responsável por mensurar a produção do setor e poderá regular os estoques para conter os aumentos nesses períodos.

Muito embora o setor faça discursos garantindo que a produção atual será capaz de suprir a demanda, esse discurso é o mesmo de sempre e podem ter certeza que chegando o mês de dezembro a novela toda se repetirá, portanto, cabe ao governo federal ficar de olho e cessar de uma vez por todas às pressões do setor que já é favorecido de diversas maneiras com impostos como o ICMS que incidem em menor quantidade sobre o etanol.

Confira a nota da UNICA abaixo:

A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA) avalia que uma eventual redução na mistura do etanol anidro à gasolina no Brasil traria efeitos danosos ao meio ambiente e à saúde pública. Segundo um especialista, pode-se estimar que só na cidade de São Paulo, o custo adicional para o Sistema Único de Saúde (SUS) em função do aumento na incidência de problemas respiratórios e de outros tipos chegaria à casa dos US$ 2 milhões por ano.

A possibilidade de redução da mistura de etanol anidro à gasolina vem sendo cogitada por diferentes setores do governo. Diferentes relatos na mídia, nem sempre com a fonte claramente identificada, sugerem que o governo examina a hipótese de adotar uma mistura inferior à atual, que hoje é de 20% a 25%.

Para Paulo Saldiva, professor titular do Depto. de Patologia da Faculdade de Medicina e coordenador do Instituto Nacional de Análise Integrada de Risco Ambiental da Universidade de São Paulo (USP), “se houver uma redução de cinco pontos percentuais na mistura, durante um ano pagaremos cerca de US$ 2 milhões, que é o equivalente ao custo do SUS a 400 internações estimadas a mais na rede pública em razão de doenças respiratórias e cardiovasculares na cidade de São Paulo”.

O professor da USP e outros pesquisadores de renome publicaram em junho de 2010 um trabalho que compôs o livro “Etanol e Bioeletricidade – A cana-de-açúcar no futuro da matriz energética”, que trata especificamente sobre o tema nas páginas 126 e 127.

Para Alfred Szwarc, consultor de emissões e tecnologia da UNICA, a redução da mistura para níveis abaixo do que foram previstos originalmente traria alguns efeitos. “Vamos lembrar que os veículos flex brasileiros foram projetados para atuar com uma mistura entre 20 a 25% de etanol anidro misturado à gasolina. Uma redução da mistura abaixo deste piso de 20%, limite técnico, poderia trazer alguns efeitos indesejados para o meio ambiente com o aumento das emissões e do consumo”.

O diretor técnico da UNICA, Antonio de Padua Rodrigues, explica que o setor sucroenergético se preparou para garantir a mistura de 25% durante toda a safra 2011/2012. “Há condições para se atender este nível de mistura, as destilarias das usinas trabalham para produção do etanol anidro e nossa expectativa é bastante positiva neste sentido,” afirma o diretor.

Há terror na nota ou não? VAGABUNDOS!

Anúncios

Um comentário em “Esses usineiros… A reação já começou!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s