//
you're reading...
Automóveis, Fiat, Mecânica

Avaliação Siena ELX Fire 16v 2001

Não tenho muito gosto por carros da FIAT. Notadamente os carros fabricados em Betim tem suas qualidades, não fosse assim, as vendas do fabricante não teriam crescido de forma tão consistente desde o início dos anos noventa até hoje. Mas, gosto é gosto, e assim como melhoraram seus carros em diversos aspectos, outras características comuns aos carros da FIAT me desagradam.

Mas apesar disso, aproveitei a oportunidade de ficar por algumas semanas com um Siena 2001. O carro é de um amigo, que depois de tirá-lo zero quilômetro do concessionário, resolveu vendê-lo para pegar um carro mais novo, e de porte superior ao sedan de entrada. Meu amigo confiou o carro para que eu conseguisse vendê-lo.

Tudo certo, fui até a casa dele buscar o “Sieninha”. Já havia dirigido outros carros da família Palio, o Siena inclusive. Já sabia que do modelo 2001 do meu amigo poderia esperar a falta de modulação do freio, praticamente no esquema “ligado/desligado”, a posição alta do banco do motorista e a alavanca de marchas grande, algo que ainda me incomoda nos FIAT atuais.

Mas rodei apenas alguns quilômetros para dianosticar que o carro estava em perfeitas condições. Salvo pequenos detalhes como uma tampinha de porta-treco que não se fechava, a falta de uma calota, um amassadinho na próximo da tampa traseira e um pneu desgastado desigualmente na frente, o carro apresentava baixa quilometragem, boa rigidez ao rodar, enfim, um carro de procedência.

Um pequeno defeito em partidas com o motor quente, me fez ir até a oficina para limpar o corpo de borboleta de aceleração, no modelo 2001, já equipado com o sistema de borboleta eletrônica, chamado pela Fiat de “Drive by Wire”. O sistema não possui cabos, o acelerador é uma espécie de potenciômetro e a marcha lenta é comandada pela própria borboleta, dispensando o uso de atuador.

Meu mecânico comentou que o carro estava batendo levemente os tuchos de válvulas, e ponderou que seria bom fazer a troca do óleo. Mas não havia tempo, conferi a etiqueta e o óleo ainda não estava vencido, embora estivesse próximo de vencer pela validade de seis meses. fiz somente a limpeza do corpo de borboleta, o problema da partida foi resolvido e eu mesmo e utilizei o carro por uma semana.

Fiquei impressionado com o baixíssimo consumo de combustível. Claro, quem tem um Omega de 4,1 litros tem a tendência a considerar qualquer carro muito econômico, mas, esse era mesmo. Em percursos de trânsito livre e pesado, consegui médias de 14 km/l. A direção hidráulica leve tende a ser perigosa em velocidades altas, mas velocidade não é o forte, nem a proposta do carrinho, que urra em velocidades acima de 120 km/h.

Depois de rodar por uma semana percebi que em partidas a frio, pela manhã, o carro batia tuchos com vontade. Pensei ser normal e não levei muito a sério. Como já estava decidido a passar o carro para um amigo, devido ao ótimo estado de conservação, o Siena ficou por uns dez dias desligado, então surgiram os problemas.

Ao dar partida após esse prazo, a bateria já não foi capaz de virar o motor, talvez o alarme estivesse consumindo a bateria quando o carro estava em repouso. Levei o Corsa do meu irmão para próximo do Siena e fiz a “chupeta”, dei partida e fui embora. Chegando na casa da minha noiva, a luz de pressão do óleo acendeu. O cheiro da merda subiu… pensei: “Os Fiat me odeiam.”

Parei no posto mais próximo, desliguei o motor e deixei ele ali parado uns 15 minutos, fui na vareta de óleo e tinha óleo. Não conheço o carro e por segurança coloquei mais um litro de óleo sintético, 30 paus. Sem problema, pensei, o que não pode é travar esse motorzinho.

De nada adiantou, andei alguns metros e a luzinha do capeta acendeu novamente. Mas como já tinha certeza que o óleo estava no cárter e a temperatura estava OK, continuei. Passei a perceber que conforme o uso do motor, em giro alto por exemplo, a luz se apagava. “Pau no menino”, foi a conclusão imediata.

No dia seguinte, fui até a oficina. Meu mecânico foi na mosca: Lembra que te falei dos tuchos batendo? Tem que tirar o cárter, retirar o pescador de óleo e lavar a peneira… lavar tudo. Pensei em um flush e ele quase me tirou da oficina aos tapas.

Carro no elevador, tiramos o carter e lá estava a sujeira na peneira. Não havia borra, aquela graxa de óleo, mas uma sujeirada mesmo, algo como um pó de café (veja uma foto que mostra situação similar abaixo). Tiramos tudo e levamos para a bancada para examinar e desmontar o pescador. Percebemos que procedimento similar já havia sido realizado, havia marcas de desmontagem e de limpeza anterior nas peças.

Imagem: Photobucket

Limpamos tudo certinho e colocamos no lugar. Depois, completamos o óleo com sintético 15W40 conforme especificação do fabricante. É provável que deixar o carro sem funcionar por tanto tempo tenha sido suficiente para a sujeirada sedimentar no cárter e quando a bomba que aspirou, entupiu o pescador.

Dei a partida e aquele motor que quando entrou na oficina parecia ser um motor diesel, ficou absolutamente liso e silencioso. Rodei uns 100 km no dia para me certificar que não haveriam mais problemas com o óleo e os tuchos, nada… tudo certinho. O mecânico recomendou que a próxima troca de óleo fosse realizada com 2.000 km para que o óleo novo, que provavelmente deve se sujar também, seja retirado sem comprometer a peneira do pescador novamente.

No sábado seguinte entregamos o carro ao novo proprietário que até agora está satisfeito com o novo carro. Gostei muito do Siena 1.0 16v. É um motor suave, elástico e principalmente, muito econômico, como deve ser um carro urbano. Se estivesse em melhor situação, eu teria trocado o carro da minha noiva, mas vai ficar para uma próxima oportunidade.

About these ads

Sobre Raphael Hagi

Analista de sistemas e suporte Microsoft com vasta experiência em desenvolvimento de aplicativos web, envolvendo desenvolvimento de rotinas do lado do servidor, e instalação e manutenção de servidores web Windows Server.

Discussão

2 comentários sobre “Avaliação Siena ELX Fire 16v 2001

  1. ola amigo. por gentileza,sabe me dizer o que era o problema com a partida?? o meu só funciona quando está frio. depois se apagar não pega mais.

    Publicado por edson | 27/07/2012, 13:23
  2. Tenho um siena 1.0 16v fire 2001, realmente o carro é mto economico, e na BR rodando a 110km/h no velocimetro (100km/h velocidade real) não se espante em fazer média de 18km/l com a manutenção em dia.
    Se vc trocar os 4 amortecedores originalmente a óleo por amortecedores a gás, ele se torna um carro bem mais estavel em curvas de alta.
    E se por acaso estiver com problemas de carregamento da bateria, pode ser por uma falha de fabricação, pois o cabo do alternador foi subdimencionado, tive esse problema, facilmente resolvido fazendo uma “ponte” um cabo de reforço (um bom eletrecista fara o serviço por R$50 a R$70. Hj carrega que é uma beleza, bateria de 65 ampéres.

    Publicado por Fabio | 08/05/2014, 21:12

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 165 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: